As mulheres e a radiônica

Introdução

Neste artigo falaremos um pouco sobre as enormes contribuições que as mulheres de todos os tempos proporcionaram a radiônica, graças a elas hoje temos uma compreensão mais completa acerca desta disciplina, e entendemos mais as possíveis aplicações da técnica.

Ruth Drown (E.U.A, 1892-1963)

drown01

Sem dúvida é um dos maiores nomes da radiônica de todos os tempos, seu papel é, com justiça, comparado ao do próprio criador do sistema, Albert Abrams.

Ruth Drown foi uma pessoa fantástica sob todos os aspectos. Mulher de fibra que em 1918, com apenas 26 anos de idade, abandonou o marido e começou uma jornada digna de um filme, foi proprietária de pequenos negócios, trabalhou como mecânica de manutenção para Thomas Edison, se formou em Quiropraxia em 1926 e conheceu a radiônica pouco tempo depois.

Drown foi assistente de um dos alunos de Abrams, e desde cedo percebeu o potencial por trás da técnica, de forma que resolveu investir seus ganhos na criação de um laboratório para pesquisa e construção de instrumentos.

As contribuições de Drown à radiônica foram determinantes, sendo a grande responsável pela transformação da técnica em um sistema mais amigável, tornou o processo de avaliação mais simples a partir da criação da placa tátil, também foi ela que descobriu que era possível realizar tratamentos a distância.

Drown-radionica-foto

Como  se não bastasse tudo isto, ela ainda desenvolveu o primeiro instrumento que fazia fotos radiônicas a partir de testemunhos (parecidas com radiografias, sem a presença da pessoa), um tema fascinante em que raros operadores são habilitados.

Foi também a mulher que sofreu as maiores perseguições da classe médica, e aos 72 anos de idade Ruth Drown foi condenada, após desobedecer uma proibição judicial e utilizar a radiônica, vindo a falecer na prisão em decorrência do estresse.

Marjorie De La Warr

marjorie-dela-warr

Quando falamos no nome De La Warr todos pensam em George De La Warr, um dos maiores nomes da radiônica de todos os tempos, poucos sabem contudo o papel desempenhado por sua esposa, Marjorie.

George De La Warr era responsável pelas pesquisas relacionadas a melhora dos instrumento de radiônica fabricados na época, enquanto que Marjorie estava concentrada na melhora da técnica e utilização da radiônica.

Marjorie foi a grande responsável pelo desenvolvimento dos índices utilizados nos instrumentos Base 10, suas tabelas de ajustes são utilizadas até hoje (inclusive em nossa máquina radiônica Órion 2). Segundo pessoas que tiveram contato com a família Marjorie, ela era auxiliada por sua sensibilidade extremamente aguçada, dizem que era capaz de sentir com facilidade quando os ajustes estavam corretos.

Foto de um anel

Foto de um anel

Além disso Marjorie esteve também envolvida na pesquisa das fotos radiônicas, tendo acumulado 12.000 fotos desenvolvidas através da radiônica, como a que vemos acima.

Foi Marjorie também quem desenvolveu os principais técnicas para diagnóstico energético que ainda são utilizadas, o passo a passo para as avaliações e tratamentos.

Após o falecimento de George De La Warr em 1969, Marjorie foi a grande responsável pela administração dos laboratórios De La Warr, que encerrou suas atividades após o falecimento da própria Merjorie, em 1987.

Jane E. Hartman

jane-hartman

Jane é americana, e foi aluna de David Tansley, além disso teve excelente formação na área terapêutica.

Sua importância advém da pesquisa que ela realiza no campo da radiônica, aliando diversas técnicas e métodos que estudou em seus vinte e cinco anos de prática, seu trabalho está resumido no livro “Radiônica e Radiestesia – Manual de Trabalho com Padrões de Energia” – Editora Pensamento.

Alessandra Previdi

alessandre-previdi1

Alessandra é fundadora e Presidente da Sociedade Italiana de Radiônica, a principal associação do tema no país, com sede em Roma, Itália. Formada em biologia é também a única italiana com formação plena pela Radionic Association (Inglaterra).

Seu trabalho na Itália é fascinante, e em 2007 tive a oportunidade de visitar seu laboratório e passar algumas horas em sua companhia.

Pude perceber rapidamente sua paixão pelo tema, seu laboratório possui diversos aparelhos e Alessandra mantém-se sempre informada acerca do que ocorre na radiônica mundial.

É também a idealizadora do projeto “Radiônica sem Fronteiras”, que busca ensinar métodos simples e acessíveis de radiestesia e radiônica em países onde a população mais carente não tem acesso a técnica.

Finalizando

Se me perguntassem o que liga estas mulheres eu responderia de forma bastante direta o seguinte:

Todas elas são pessoas de muita sensibilidade, capazes de perceber mínimas variações energéticas, compreendo isto pelo trabalho hercúleo desenvolvido por Drown e Marjorie, pela escrita de Hartman, em que constantemente aborda os aspectos mais sutis da arte e pela capacidade intuitiva de Alessandra Previdi.

About The Author

Sérgio Nogueira

Presidente da Associação Brasileira de Radiestesia e Radiônica (ABRAD). Possui formação ainda nas áreas de acupuntura, reiki, hipnose, magnetismo e outras, que utiliza de forma sinérgica em seu trabalho. Atualmente se dedica a atendimentos na área de radiestesia empresarial, auxiliando profissionais e empresas a atingirem seus objetivos.

Comente este artigo