Rabdomante com forquilha

Para entendermos o que vem a ser qualquer tema, devemos descobrir os fatos que deram origem ao mesmo, e sempre é necessário voltar um pouco no tempo, neste caso não a lugares longínquos ou civilizações perdidas, voltemos ao século passado, anos 30.

A Geobiologia, tal como a conhecemos hoje em dia surge durante estes anos turbulentos por meio da observação acurada de alguns médicos europeus, entre os quais se destacam os alemães, que naquela época percebiam problemas com seus pacientes, eram os médicos de família que estavam enfrentando dificuldades.

Tais dificuldades advinham do fato de que estes tinham entre seus pacientes alguns casos de câncer, tratavam a pessoa, que infelizmente acabava morrendo, anos depois eram chamados a atender outro membro da família e descobria-se que o mesmo estava com câncer também, e depois mais outro, seguindo uma lista de óbitos devido ao mesmo problema.

Começaram a perceber que em grande parte das vezes a mãe, tendo falecido devido ao câncer, tivera o seu quarto ocupado por outro membro da família, também vitima da doença, ou então a esposa, que perdera um marido devido a esta doença, tinha se casado novamente e o segundo marido, que dormia no mesmo local do primeiro, manifestava também a doença!

Ou seja, o médico da família vinha e tratava a mãe que tinha câncer. A mãe morria. Cinco anos depois, ele voltava para ver a filha, exatamente com o mesmo câncer, que com a morte da mãe, tinha passado a dormir na cama principal.

Como as coincidências eram demais radiestesistas foram empregados para avaliarem estes locais, muitas vezes sem prévio conhecimento do ocorrido nestes locais, mas misteriosamente as varas radiestésicas ganhavam vida nestas casas, denunciando problemas, desta forma surgiu o que conhecemos por Geobiologia.

Neste ponto é interessante reproduzir aqui trechos do livro Erdstrahlen als krankheitserreger, da autoria de Gustav Von Pohl.

Pêndulo de Radiestesia“Era desconcertante comprovar que todos os casos mortais de câncer aconteciam sobre uma linha bem definida”

Para que meus estudos se mostrassem à margem de qualquer suspeita, solicitei a colaboração de personalidades oficiais como o Alcaide e seu Tenente, o Comissário de polícia etc…”

Quando comecei minhas investigações, pedi ao Alcaide que confeccionasse umalista das pessoas mortas por câncer, assinalando o lugar onde viviam e indicando a posição de sua cama na casa. Fique claro que esta lista não me foi mostrada: permaneceu no cartório e somente quando foi terminada minha investigação é que estabelecemos a comparação.

Todas as notas sobre o meu croqui encontraram sua confirmação na lista de registro das mortes por câncer.”

Terminado este estudo foi elaborada uma ata oficial relatando os pormenores do estudo e reconhecendo a eficácia do barão em seu trabalho.

Com base neste resultado inicial, muitos médicos se interessaram pelo tema e começou a ganhar força na Alemanha a idéia das “Casas de Câncer”, o estudo chegou em um ponto tal que se descobriram casas específicas nas quais haviam muitos casos de câncer, em uma lista muito interessante, que analisa 5.348 casas de câncer entre o período de 1910 a 1931,  detectou-se que em 5 casas houveram 10 ou mais casos neste período, 1 casa com nove casos, 1 com 8 casos, 6 com 7 casos, 15 com 6 casos e assim sucessivamente, ao se estudarem estas casas encontrava-se sempre fortes alterações telúricas.

É bom deixar claro, entretanto, que uma ciência não surge nunca de apenas uma experiência, por mais meritória que esta seja, é necessário que uma bateria de testes diferentes sejam efetuados, e no caso da Geobiologia isto não foi diferente, o reproduzido acima foi apenas uma das inúmeras experiências feitas ao longo de sua história.

Apenas como indicativos podemos citar duas a mais:

As experiências de Pierre Cody, que descobriu a influência da ionização nos pontos telúricos.

Os 150.000 testes do Dr. Hartmann que comprovam a existência  e a influência sobre a saúde humana das linhas telúricas que levam o seu nome.

Foram estudados milhares de casos, por volta cinqüenta mil pacientes com câncer ao todo, e, embora tenha surgido uma verdadeira guerra entre  autoridades médicas que contestavam estes resultados e estudiosos que procuravam a verdade, os resultados foram tão esmagadores em favor da existência destas linhas telúricas prejudiciais que aqueles que as negavam acabaram por se transformar em seus defensores mais ardentes.

Deve ser enfatizado que estas pessoas não eram obscuros transmissores de energia curativa, mas cientistas e professores de artes médicas que estavam arriscando sua reputação e carreira.

Felizmente, em fevereiro de 1987, chegou a fase onde o próprio Governo alemão Ocidental começou a investir milhões em um programa de pesquisa para investigar os efeitos de linhas telúricas em organismos vivos.

Deste ponto em diante, aparelhos como magnetômetros, contadores gêiser e outros passaram a ser usados em larga escala, indicando, na maioria das vezes anomalias nos lugares em que as varas radiestésicas indicavam incidência telúrica, hoje em dia, embora ainda se utilize tais equipamentos, se dá mais atenção para a sensibilidade do radiestesista.

As estatísticas dos cientistas alemães foram suficientemente fortes para gerar leis exigindo a avaliação de um local por Geobiólogos antes da aprovação da construção em várias cidades.

Hoje em dia a Geobiologia tem status de ciência em vários países, sendo respeitada e estudada com afinco por milhares de pessoas ao redor do mundo.

Comente este artigo